Erick Chagas

Sobre as aventuras dos dias 17/01 e 20/03 de 2016

O mal é… Uma entidade moral e não uma criação, uma entidade eterna e não perecível: existia antes do mundo; constituía o ser monstruoso e execrável que também deveria moldar um mundo tão horrendo. Consequentemente, existirá depois das criaturas que povoam este mundo.

 

-Marquês De Sade.

 

—————

 

Uma espessa neblina encobre os pântanos melancólicos de qualquer conto tenebroso, confundindo os viajantes e dominando o mundo. Uma membrana de vapor emerge entre as lápides de um cemitério, disfarçando todos os perigos ocultos. As Brumas adquiriram vida própria e elas atuam como as garras de poderes estranhos, ocultos e incompreensíveis. Um viajante que entre nas Brumas com o intuito de chegar a um local terminará envolvido por um inferno de neblina branca e densa. Até mesmo o chão desaparecerá sob seus pés. A direção e a distância se tornam insignificantes e, a menos que o viajante utilize um dos Caminhos das Brumas, ou seja guiado por alguém que os conheça, ele não terá o menor controle sobre o destino que esses caminhos lhe reservaram.

 

—————

 

Era normal aventureiros se alojarem na nossa cidade para retomar suas viagens no dia seguinte, outros vinham a turismo para conhecer nossos belos prados e até estudantes de culinária tinham interesse em conhecer o famoso Guerrard e seus biscoitos. Eu nasci e cresci nestas terras, vi meu povo prosperar ao longo dos anos graças à Família Alfonso e sua gloriosa administração.

Minha vida e de meus vizinhos era calma e boa, boa demais se você considerar que habitávamos uma região nas limitações de Portos Azuis. Em um dia como qualquer outro nossas vida mudaram drasticamente. O orfanato da cidade pegou fogo e a tragédia abalou a todos, enquanto nós nos mobilizávamos para apagar o fogo e reduzir o dano das chamas, um cavaleiro da guarda passa correndo pela rua central gritando que o Castelo também estava em chamas. Na manhã do dia seguinte a notícia de que a Condessa e o Conde estavam mortos devastou a população, as pessoas não sabiam o que fazer, foi a primeira vez que vi meu povo dividido, algumas famílias saíram da cidade e outras ficaram, a sensação de que algo iria acontecer nos deixava aflitos, nós que ficamos não acreditávamos no que havia acontecido, ou melhor, não queríamos acreditar como tudo pelo que lutamos para construir havia desabado tão rápido. Poucos dias depois das tragédias uma guerra civil começou, acho que pelo poder… Não sei.

Depois de uma semana decidi sair da cidade, temendo pela minha vida. Saí pela estrada principal com outros pessoas, éramos quatro e mais uma criança pequena, nas limitações um nevoeiro aparecia cobrindo o chão da estrada, e seguimos com cautela já que conhecíamos o local. Saímos da cidade em direção a Emyn Meyer para recomeçar nossas vidas, sinto pena dos que lá ficaram e aquela névoa estranha, bem… Me deu arrepios, sabe?

—————

 

Caros aventureiros e aventureiras que participaram da dinâmica do dia 20/03, a aventura contou outra parte da história sobre a tragédia ocorrida na dinâmica das Banshees, realizada em 17/01 e continuará no final do mês de abril ou de maio, na Floresta da Tijuca. A pontuação será distribuída futuramente e ela será dada em função da próxima etapa, a pontuação total será distribuída no final do arco da história. Na hipótese de um jogador aparecer em apenas um dos jogos ele receberá a pontuação do dia participado, mas mesmo assim, apenas no final da aventura.

 

  • Cielo

2 Responses

Page 1 of 1
  1. Victor
    Victor 4 de abril de 2016 at 9:32 |

    Se eu não tiver uma ficha eu recebo os pontos ?

    Reply

Leave a Reply